Artigos

Três novas espécies de lampreias para Portugal

Associados da SIBIC, que desenvolvem a sua investigação nas instituições Universidade de Évora (UE), Centro Oceanografia (CO) e Centro de Biología Ambiental (CBA) daFaculdade de Ciências da Universidade de Lisboa (FCUL) eMuseu Nacional de História Natural e da Ciência (MNHNC), descreveram três novas espécies de lampreias que ocorrem apenas em Portugal. As três espécies apresentam áreas de distribuição muito restritas e fragmentadas com populações muito diminutas, devendo, na opinião dos investigadores, ser classificadas como Criticamente em Perigo, de acordo com os critérios utilizados na elaboração da última revisão do Livro Vermelho dos Vertebrados de Portugal. Os três novos taxa foram batizados de acordo com o seu local de origem: a lampreia da Costa de Prata (Lampetra alavariensis) é endémica das bacias hidrográficas do Esmoriz e Vouga; a lampreia do Sado (Lampetra lusitanica) tal como o nome indica, é endémica da rede hidrográfica que lhe atribui o nome vulgar e, finalmente, a lampreia do Nabão (Lampetra auremensis) é endémica desta sub-bacia afluente da margem direita do Rio Tejo.

Com este trabalho, que dentro em breve será publicado na revista Contributions to Zoology, a família Petromyzontidae passa a ter seis representantes na Península Ibérica, ficando Portugal com uma responsabilidade acrescida em matéria de conservação deste grupo taxonómico. As restantes três espécies têm distribuição vasta na Europa, mas na Península Ibérica, tirando a lampreia-marinha (Petromyzon marinus) que ocorre em várias bacias hidrográficas desta região, a área de distribuição da lampreia-de-riacho (Lampetra planeri) concentra-se sobretudo em território nacional, com apenas dois núcleos populacionais muito circunscritos no norte de Espanha, ao passo que a lampreia-de-rio (Lampetra fluviatilis) já foi declarada extinta em Espanha e, em Portugal, está limitada ao troço inferior dos rios Tejo e Sorraia.

O trabalho foi desenvolvido no âmbito da dissertação de doutoramento da aluna Catarina Mateus, orientada pelo Prof. Doutor Pedro Raposo de Almeida (UE/CO) e pela Doutora Judite Alves (MNHNC/CBA). Este estudo, que contou ainda com a colaboração do Doutor Bernardo Quintella (CO/FCUL), foi financiado pelo Fundo EDP Biodiversidade e pela Fundação para a Ciência e a Tecnologia e beneficiou do apoio logístico do Fluviário de Mora.

Seminário de capitalização e divulgação dos resultados dos projectos Migranet

O objectivo do projecto é definido Migranet uma estratégia de cooperação conjunta na obtenção de dados sobre peixes migratórios que permite saber a condição de suas populações, as pressões sobre elas exercidas pôr em causa a sua sobrevivência, e antecipar cenários futuros de mudança para o mudanças climáticas e não climáticas. Para atingir esse objetivo, criamos um observatório das populações de peixes migratórios espaço SUDOE para garantir a sua conservação e recuperação.

Ele também criou uma rede de controle formado pelos rios Ulla e Umia na Galiza (Espanha), a Nivelle em Aquitânia (França) e da seção internacional do Minho no Norte de Portugal. Esta rede está fornecendo o equipamento necessário (estações de captação e contadores de peixe), e seus instrumentos de coleta de dados de estoques de lampreia, enguias, o sável ea Saboga, salmão e migra forma de truta marrom são harmonizados.

Assunto de Seminário

Após dois anos de implantação do projeto desde o seu início em 1 de Janeiro de 2011, o seminário de capitalização realizada, a fim de divulgar os resultados alcançados no âmbito Migranet, com foco na melhoria da gestão e conservação populações de peixes migradores e dos seus habitats no espaço Sudoeste Europeu.

Você está convidado a participar:

Governo e políticos atores com responsabilidade pelo ambiente;

Comunidade científica, institutos de pesquisa, etc.;

As partes interessadas no campo, tanto econômica e socialmente, tais como:

empresas envolvidas na exploração de pesca e peixes migratórios relacionados com a gestão dos recursos naturais;

Associações de pesca tradicionais e as actividades económicas ligadas a eles (tais como o desenvolvimento das artes de pesca ou a construção de barcos tradicionais);

associações desportivas de pesca, grupos ambientais, grupos ambientalistas, jornalistas esportivos que se especializam na pesca etc.;

Público em geral, garantindo, assim, a consciência social e envolvimento com a conservação dos recursos.

Lugar e data

Aula Magna da Faculdade de Biologia da Universidade de Santiago de Compostela (USC). Santiago de Compostela. A Coruna. Espanha (Avda. Marzoa Lopez Gomez, s / n. Campus Sul).

21 de dezembro de 2012, à tarde, a partir de 16: 45h a 20: 30h.

A inscrição é gratuita. No entanto, de uma organização adequada do seminário são convidados a confirmar a sua presença

enviar o formulário de inscrição abordou os seguintes e-mail: javier.sanchez@usc.es

Organizado

Estação de Hidrobiologia “Encoro do Con” (EHEC). Universidade de Santiago de Compostela (USC).

Envolvido

Secretaria do Meio Ambiente, Terra e Infra-estrutura (Xunta de Galicia). Direcção Geral de Conservação da Natureza.

Estudos da Fundação Centro Eurorrexionais Galiza – Norte de Portugal (CEER).

Institut National de la Recherche Agronomique (INRA). UMR ECOBIOP (Aquitânia, França).

Núcleo Interdisciplinar de Investigação Marinha e Ambiental (CIIMAR). Universidade do Porto (Portugal).

Aquamuseu do Rio Minho Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira. (Portugal-Norte).

Realizou-se o curso da identificação de peixes dos ecossistemas fluviais de Portugal

De 29 de outubro a 2 de novembro realizou-se o curso Identificação de peixes dos ecossistemas fluviais de Portugal, organizado pelo Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MNHNC), pelo Centro de Biologia Ambiental (CBA) e peloCentro de Oceanografia (CO) da Universidade de Lisboa. O curso decorreu nas instalações do MNHNC, com aulas teóricas e uma forte componente de aulas práticas, e no último dia foi realizada uma saída de campo à Ribeira de Canha (bacia hidrográfica do Tejo). Durante este curso os formandos aprenderam a identificar as mais de 60 espécies de peixes que ocorrem nos ecossistemas fluviais de Portugal.

Verificou-se uma forte adesão ao curso, tendo-se esgotado as vinte vagas disponíveis. Os formandos vieram de diferentes distritos de Portugal, incluindo Vila Real, Aveiro, Lisboa e Beja. A origem profissional dos formandos foi também diversificada, desde universidades (Univ. Lisboa, Univ. Aveiro, Univ. Trás-os-Montes e Alto Douro, Univ. Autónoma de Madrid) e centros de investigação (CIBIO, INIAV), administração pública (ICNF, ARH) e profissionais e empresas (EDIA). A avaliação geral do curso foi muito positiva (4.6 em 5), com 90% dos participantes a indicarem que recomendariam o curso a outra pessoa.

Mais informação aqui.

Prémio Fluviário 2012 – Jovem Cientista do Ano

O Fluviário de Mora, lançou no seu 3º Aniversário, a 21 de Março de 2010, em conjunto com o seu Núcleo de Investigação (NIFM), o Prémio Fluviário – Jovem Cientista do Ano. Este prémio pretende distinguir um aluno (PhD, MSc, Lic.) que tenha publicado, como primeiro autor, um artigo (revista SCI), no ano a que se refere o concurso, na temática conservação e biodiversidade de recursos aquáticos continentais (Estuários e Rios).

As duas primeiras edições, que totalizaram 40 candidaturas consideradas e a distinção de cinco investigadoras, entre premiados e menções honrosas, consagraram esta iniciativa no plano nacional como um galardão distinto e inovador,  que garante a divulgação e valorização do importante papel dos jovens investigadores para o desenvolvimento do conhecimento nas áreas da Conservação e Biodiversidade dos Recursos Aquáticos Continentais (Rios e Estuários).

Na sequência daquele êxito, o Fluviário de Mora relança o desafio, tendo agora a honra de lhe submeter, em anexo, o regulamento e a ficha de inscrição referentes à terceira edição desta iniciativa, o Prémio Fluviário 2012 – Jovem Cientista do Ano. A presente edição, premiará o investigador distinguido, com o reconhecimento da qualidade e importância do seu trabalho e com um prémio monetário de 500 euros.

As candidaturas deverão ser submetidas até ao dia 31 de Dezembro e poderão ser feitas pelos professores orientadores, co-autores dos artigos ou pelos próprios alunos. Cada candidato só poderá submeter um artigo a concurso.

Bases do Prémio Fluviário – Jovem Cientista do Ano 2012

Ações de voluntariado para monitorização de peixes autóctones e controlo das exóticas

Nas sextas feiras entre 10 de agosto e 27 de outubro de 2012, o Parque Natural do Vale do Guadiana vai realizar ações de voluntariado para monitorização das espécies de peixes autóctones e controlo das exóticas. As ações terão lugar na Ribeira do Vascão / Mértola / SIC Guadiana, consistindo em: captura, identificação, manipulação, marcação, recolha de amostras, e libertação dos indivíduos.

O ponto de encontro é na sede do Parque Natural do Vale do Guadiana, em Mértola, às 9h. Participe e contribua, assim, para a salvaguarda de espécies de peixes endémicas como o Saramugo!

Inscrições e mais informações:

Parque Natural do Vale do Guadiana

R. D. Sancho I, 55

7750-350 MÉRTOLA

Tel. +351.286 610 090

E-mail: pnvg@icnb.pt